• peça uma tele
  • Cristal luz
  • Valdo

1 de julho de 2020

Dedico este poema ao legado  de Orlando Tischler/Cachoeira do Sul

Orlando…

No passo das cachoeiras, sobre um cavalo branco
Orlando vem galgando.
Chapéu panamá, mãos ressecadas,
Transpunha a natureza que circundava Cachoeira.
É o fim de mais uma jornada.

À sombra de um eucalipto
No canto do rio Jacuí
O pôr do sol encantava
E Orlando se aquietava.

Ao longe, avistava
O trem que vinha apitando
Avisando sua chegada.

Essa espera singular
Algo nele despertava.
Os sonhos guardados
De criança, que em sua mente se agitavam.

Lágrimas caem à visão inusitada
Quando na linha do trem surge Yara.
A expectativa impensada de um encontro
Um desejo, um amor, uma estrada.

A força dessa união a caminhada mais leve tornou
As agruras todas da vida Orlando (com Yara) as suportou
E seu legado
Deixou!

Gisela Purper Barreto – Psicóloga clínica/Pós-graduada em Arteterapia –
Curso de Extensão em Neurociência do Comportamento Pela Universidade Internacional de Ciências do Espírito – UNIESPÍRITO – Contato: (51) 985843945 e (51) 997855611